APRESENTAÇÃO - HISTÓRICO

O Soyacene – Observatório Social e Ambiental da soja é uma iniciativa transdisciplinar voltada para a análise do fenômeno da soja em nível regional e global. A criação de um observatório com este objetivo está ligada ao trabalho de pesquisadores da UFFS tanto da área de humanidades quanto de ciências ambientais, através de atividades em laboratórios, projetos de pesquisa e ativismo socioambiental.

Desde 2018, a UFFS realiza eventos específicos em história ambiental da soja, objetivando aprofundar as pesquisas sobre os impactos da expansão da sojicultura; ao mesmo tempo, os pesquisadores do grupo atuam tanto em iniciativas político-institucionais quanto em colaboração com a sociedade civil organizada no Brasil, no Mercosul e na Europa, investigando os impactos globais específicos dessa monocultura.

Aos poucos, o grupo de pesquisadores foi se ampliando: em 2022, publicamos o livro “The Age of Soybean”, contando com 29 autores de dez países – Brasil, Argentina, Estados Unidos, Áustria, Holanda, Suécia, Itália, Zimbábue, Índia e Arábia Saudita. Esse primeiro esforço intelectual conjunto reforça uma característica do Soyacene: inicialmente concebido como um observatório regional, entretanto, esse trabalho vem se tornando global, abordando as incontáveis viagens que as sementes e grãos realizam em nosso planeta.

Enquanto a ciência discute se nossa nova era geológica deve ou não ser nomeada Antropoceno – quando os seres humanos modificam os rumos planeta – , provocativamente, afirmamos que o Sul Global vive um Sojaceno/Soyacene, onde as relações sociais e ambientais estão sendo, há pelo menos duas décadas, mediadas em grande parte, pela soja. Esse neologismo – Soyacene – indica provocativamente, relações que podemos ou não tentar mensurar: seus grãos, óleos ou farelos estão presentes em chocolates, temperos prontos, maquiagens, tintas, colchões, sorvetes, sucos; também compõe o biodiesel, ração animal, ou estão presentes na indústria farmacêutica e automobilística; ou seja, em uma infinidade de produtos e usos.

Finalmente, a soja é um ponto de conexão dramático entre nossa região e os mercados globais: se na década de 1970 a soja era praticamente desconhecida no Brasil como um todo, é importante lembrar que aqui perto, em Santa Rosa (Rio Grande do Sul), foram desenvolvidas as primeiras plantações em escala comercial no país. Portanto, a história das inovações técnicas e tecnológicas, das transformações sociais ou ambientais, assim como o futuro da sustentabilidade, estão intrinsecamente ligados ao surgimento da UFFS e do nosso Observatório! 

Venha fazer parte do Soyacene! Traga sua proposta de pesquisa ou de ação socioambiental!